Sarampo: aumento do número de casos no mundo preocupa autoridades de saúde — Foto: Foto: Cristine Rochol/PMPA

Por que o sarampo está voltando?

A Organização Mundial de Saúde divulgou que neste ano de 2019 houve um aumento de 300% nos casos de sarampo registrados no mundo inteiro. Este aumento não aconteceu apenas em regiões menos favorecidas como África, Ásia ou América do Sul. O sarampo preocupa as autoridades de saúde na Europa e Estados Unidos onde, até abril deste ano, já foram notificados 555 casos em 20 estados.

Por que preocupa?

Porque o sarampo é uma doença altamente contagiosa que pode matar. Não é uma doença simples. Pode complicar e levar pessoas, principalmente crianças, a óbito. Para se ter uma ideia, antes da vacina ser globalmente difundida e administrada, o sarampo era responsável por aproximadamente 2 a 3 milhões de óbitos por ano no mundo todo.

Atualmente, a OMS aponta que mais ou menos 100.000 pessoas ainda morrem, por ano, em decorrência do sarampo. Este número é assustador se pensarmos que há uma vacina altamente eficaz.

O sarampo é causado por um vírus que passa pelo ar. Começa com uma febre alta, lesões esbranquiçadas na mucosa oral, conjuntivite e bolinhas vermelhas na pele, que podem se juntar e formar áreas grandes e confluentes. As complicações é que são muito temidas: o sarampo pode dar uma pneumonia grave (principal causa de morte), cegueira – principalmente nos que tem deficiência de vitamina A- e problemas neurológicos graves como encefalite, que pode deixar sequelas para o resto da vida.

O grande problema é que o sarampo é causado por um vírus para o qual não há nenhum tratamento específico.

Por isso, a vacina é de longe a melhor forma para se proteger. É altamente eficaz: garante 97% de proteção, quando administrada em 2 doses. A vacina do sarampo está no Calendário Nacional de Imunização e é gratuitamente oferecida para crianças aos 12 meses e aos 15 meses. Adolescentes e adultos que não sabem se receberam quando pequenos devem se vacinar.


Por que o sarampo está voltando? Uma das razões apontadas é a grande eficácia da vacina. Como assim? Parece contraditório, mas não é. A vacina extremamente eficaz faz a doença diminuir. Era o que estava acontecendo. O sarampo estava desaparecendo. Tanto assim que o Brasil havia recebido o certificado de erradicação da doença. Porém, como a doença ficou longe do foco das pessoas, muitos pais deixaram de levar seus filhos para receber as duas doses da vacina. Somem-se a isso razões pessoais que fazem com que pessoas se recusem a receber vacinas no mundo de hoje, ainda mais quando não “enxergam” pessoas doentes ou morrendo pela doença para a qual devem se vacinar. Resultado: a cobertura vacinal caiu para 67%, quando o ideal seria mais que 85%.

O vírus não deu trégua. Está ressurgindo com tudo. O Brasil perdeu o certificado de erradicação do sarampo em fevereiro deste ano, quando tivemos um surto nos estados do norte do país.

Cabe a pergunta: será que as pessoas só conseguem se proteger daquilo que entendem ser uma ameaça imediata?

G1

Outras Notícias

Governo federal aprova registro de mais 31 agrotóxicos, somando 169 no ano

O Ministério da Agricultura formalizou nesta terça-feira (21) o registro de mais 31 agrotóxicos. No ano todo, já são ...

Versão genérica de remédio para prevenir HIV deve ser lançada em 2021

Uma versão genérica do medicamento utilizado para prevenir o vírus HIV deve chegar ao mercado em 2021. A empresa farm...

Peritiba e Xavantina são os primeiros a superar meta de imunização contra a influenza na AMAUC

As cidades de Peritiba e Xavantina são as primeiras da região a bater a meta de 90 por cento na imunização do público...

Campanha nacional contra a influenza: 62 por cento do público-alvo imunizado em Piratuba

A equipe de saúde de Piratuba já imunizou 998 pessoas contra o vírus influenza. Os novos números divulgados pelo Mini...