Por seis votos a dois, vereadores aprovam parecer pelo arquivamento do processo de cassação do prefeito Nilvo Dorini

Com o plenário praticamente lotado, a Câmara de Vereadores de Capinzal realizou na noite de terça-feira (09) a primeira sessão ordinária de abril. O principal destaque foi a votação do parecer da Comissão de Investigação pelo arquivamento do processo de cassação do mandato do prefeito Nilvo Dorini (MDB).

Por seis votos a dois, os parlamentares decidiram pelo arquivamento do processo. Foram favoráveis ao parecer os vereadores Alcidir Afonso Coronetti (MDB), Bruno Michel Fávero (SD), Valmor de Vargas (PPS), Gilmar Junior da Silveira (PSD), Adriano Zocoli (PSDB) e Lucas Dorini (MDB). Contrários: Rafael Tonial (PSB) e Kelvis Borges (PP).

Comissão de Investigação

No dia 1º de abril o vereador Bruno Michel Fávero (SD) presidente da comissão, confirmou que foi aprovado pelo arquivamento da denúncia por infração político administrativa. Além do seu voto, também foi favorável o relator, vereador Lucas Dorini. Enquanto que foi contrário o membro, Valmor de Vargas.

Relembre

A denúncia feita por um cidadão questiona a contratação da Construções Herval LTDA para execução de serviços terceirizados de mão de obra na confecção e consertos de bocas de lobo, sarjetas, calçadas, meio fio, calçamentos, instalação de tubos de concreto, distribuição de materiais diversos, pedreiro, servente, pintor e demais atividades.

Conforme apresentado na denúncia, no período de 2017 a 2018, o município pagou cerca de R$ 400 mil, ou seja, R$ 16 mil por mês para a empresa para os respectivos serviços que não teriam sido executados. Além disso, se questiona a falta de fiscalização da administração e a qualidade dos serviços prestados.

Após a leitura da denúncia foi aberta a discussão e o vereador Bruno Michel Fávero (SD) pediu vistas, alegando que foi tomado conhecimento do fato apenas no final da manhã e que seria necessário um tempo maior para analisar e votar. O presidente Renato Marcelo Markus (PR) concedeu 15 minutos de recesso.

Em diversos momentos os vereadores da base aliada ao governo municipal contestaram que o regimento da câmara não estaria sendo cumprido, quando solicitado o adiamento da votação por até seis sessões. Os parlamentares ainda sugeriram que a investigação fosse feita pelo Ministério Público e definiram a denúncia como uma manobra política.

Votação: Por seis votos a três, a denúncia foi aceita. Foram favoráveis os vereadores: Carlos Adriano Zocoli (PSDB), Kelvis Borges (PP), Rafael Tonial (PSB), Renato Markus (PR), Valmor de Vargas (PPS) e Bruno Michel Fávero (SD). Contrários: Alcidir Afonso Coronetti (MDB), Gilmar Junior da Silveira (PSD) e Lucas Dorini (MDB).

Rádio Capinzal

Outras Notícias

Prefeito de Xanxerê é condenado por desvio de recurso em programa de combate à exploração sexual

O prefeito de Xanxerê, no Oeste catarinense, Avelino Menegolla (PSD) e outras quatro pessoas foram condenadas a dois ...

Expulso do PSL, Frota é convidado para o DEM

BRASÍLIA - O deputado Alexandre Frota (SP), expulso do PSL na manhã desta terça-feira, foi convidado para integrar o ...

Revisão do eleitorado encerra na sexta-feira em dois municípios da região

Na próxima sexta-feira, dia nove, encerra-se a revisão do eleitorado com cadastramento biométrico obrigatório nos mun...

Moro diz que escondeu doação após palestra por "soar como autopromoção"

Sergio Moro voltou a falar em seu Twitter sobre uma palestra remunerada, que deu na cidade de Novo Hamburgo (RS) em s...